Você está no

BLOG DO ICOR

Cópia-de-Feliz-Dia-Das-Mãe-1-1200x628.png
31/out/2019

Varizes são veias dilatadas que normalmente se manifestam na parte visível da pele. Uma causa comum são os coágulos de sangue ou bloqueio nas veias e tem como fatores de risco a gravidez, idade avançada e excesso de peso, além de acontecer predominantemente às pessoas do sexo feminino.

Exercícios e meia de compressão ajudam a evitar, porém em casos persistentes um médico deverá ser consultado, sendo os especialistas nessa área o angiologista e o cirurgião vascular. Baixo, entenda melhor sobre o assunto. 


Qual a melhor época para tratar varizes? Inverno ou verão?

No inverno. Na estação das temperaturas mais baixas as pernas ficam menos expostas aos raios do sol e, este período, é considerado pelos especialistas o melhor para a recuperação no tratamento das varizes. Além disso, torna mais agradável o uso das meias de compressão elásticas, que normalmente são grossas e quentes, mas essenciais na recuperação de alguns tratamentos, pois otimizam a circulação, evitam o aparecimento e a piora da dilatação dos vasos. 

O que são varizes?

Varizes são veias dilatadas de coloração púrputo-azulada, ocasionadas pelo enfraquecimento da parede venosa.  As varizes provocam cansaço e dores nas regiões afetadas, normal emente elas surgem nas pernas e nos pés. A causa mais comum é a influência genética ou maus hábitos.

Quais problemas as varizes podem causar?

Além da questão estética, elas podem causar sérios riscos para a saúde, e exigem tratamento adequado para cada caso. As varizes são classificadas em seis tipos, variando do C1 ao C6.

Quais são os tipos de tratamentos?

Entre os métodos mais indicados estão: cirurgia convencional, radiofrequência, laser, escleropatia e espuma.

  • A cirurgia convencional, é indicado para as veias de médio e grosso calibre. No caso na safena, veia de maior calibre, a indicação é cirurgia de forma direta ou por meio de técnicas de radiofrequência ou endolaser que efetuam o tratamento por meio de punções.
  • A radiofrequência, é indicada para as veias de médio calibre. Esta técnica, minimamente invasiva, elimina as varizes com o calor e utiliza um cateter para ocasionar o fechamento da veia doente.
  • O laser é indicado para diferentes estágios de varizes, pode ser usado para o fechamento dos pequenos vasinhos e em caso de comprometimento da veia safena. Este método é seguro, eficaz e rápido para solucionar o problema de varizes. O laser é aplicado sobre a pele e age da mesma maneira que a glicose e a espuma, mas através de energia luminosa. Para cada caso, existe diferentes técnicas e diferentes tipos de aparelhos de laser que devem ser utilizados.
  • A escleroterapia, é usada para tratar veias mais finas e arroxadas (vasinhos) em estágio inicial. Conhecida como secagem as aplicações dos medicamentos é por meio de agulhas e seringas, e deve-se evitar a exposição ao sol, para prevenir o aparecimento de manchas. Vale ressaltar que este método apresenta grandes chances de reaparecimento com o tempo.
  • espuma de polidocanol é um método que impede a passagem do sangue na veia que está doente. A substância se expande e gruda nas paredes internas do vaso, empurrando o sangue para fora. Sem sangue, a veia vai secar com o tempo. Depois de fazer esse procedimento, é necessário usar uma meia elástica por cerca de 15 dias, mas a paciente sai andando e nem precisa fazer repouso. Este método é realizado no consultório, sem cortes, internação nem anestesia.
Fonte: Dr. Alcides Vogel- Cirurgião Vascular e Anfibologista ICOR

Aqui no Icor, você encontra a melhor assistência e qualidade no atendimento. Nossas unidades realizam exames cardiológicos, vasculares, de cateterismo cardíaco e vascular com diagnósticos seguros e confiáveis. 

Além disso, contamos com uma equipe médica altamente qualificada. São profissionais com grande experiência nas suas áreas de atuação e um quadro de funcionários que fornecem todo o suporte que o paciente merece e busca na hora de realizar seus exames.

Os textos publicados em nosso Blog têm caráter informativo e suas informações não substituem a consulta com especialistas. Para mais informações sobre o tema, entre em contato com um médico e tire suas dúvidas.

Acesse nosso site e confira a lista completa de exames e os nossos profissionais.

 

78987788787-1200x636.jpg
31/out/2019

Nesta página, os profissionais do ICOR e parceiros respondem perguntas e esclarecem dúvidas de pacientes. Confira abaixo:


O que é filtro de veia cava e para que serve?

O filtro para veia cava inferior é um dispositivo metálico implantado na parte infra-renal da veia cava inferior, com o objetivo de impedir a passagem de coágulos (trombos), que possam se soltar das veias dos membros inferiores, migrando em direção aos pulmões. Este dispositivo é usado para tentar evitar uma das mais temidas complicações da Trombose Venosa Profunda (TVP) dos membros inferiores, a qual pode ser fatal, que é a embolia pulmonar.
Agora, o Filtro, não é a primeira escolha para a prevenção de complicações da TVP. Ele é uma alternativa para aqueles pacientes que por algum motivo não podem fazer uso de drogas Anticoagulantes, as quais são a primeira opção de tratamento para esta patologia.
A instalação do Filtro é feita de forma endovascular, através de punção da veia femoral ou da veia jugular, geralmente com anestesia local, sendo um procedimento de curta duração. Hoje, já existem filtros “resgatáveis”, pois, dependendo de sua indicação, ele pode ser retirado após algum tempo, quando não há mais preocupação com o desprendimento de trombos relacionados à TVP.

 

Dr. Jeferson F. Aita (CRM 23730)
Cirurgião Cardiovascular do Instituto do Coração – ICOR


Um paciente que fez cirurgia cardíaca, por quanto tempo deve dormir de barriga para cima?

O pós-operatório varia de paciente para paciente, oscilando desde uma cicatrização rápida até uma deiscência de sutura com necessidade de reintervenção. Mas a regra é que após trinta dias, a cicatrização esteja bem avançada e já se permita dormir de lado.

É recomendável fazer a revisão de cicatrização, com alguém da equipe cirúrgica, para verificar se o esterno não está instável. É um exame simples que não leva mais que cinco minutos, e aí sim ficará liberado com tranqüilidade.

 

Dr. Luiz Bragança de Moraes (CRM 8661)
Cardiologista e Cirurgião Cardíaco do Instituto do Coração – ICOR


Tenho que extrair um dente e sou hipertensa. Que tipo de anestésico o dentista pode usar?

Andressa, o seu cirurgião dentista pode utilizar o anestésico habitual, ou seja, um ou dois tubetes de xilocaína com epinefrina. Embora, a epinefrina seja um potente vaso constritor a dose nessa solução é muito pequena.

Assim, não ocasiona efeito hipotensor, o que permite uma extração mais tranquila, com menor sangramento e menos dor.

 

Dr. Arnoldo Azevedo dos Santos  (CRM 13677)
Cardiologista e Hemodinamicista do Instituto do Coração – ICOR

 

 

 


O que é ponte intramiocárdica ?

 

O coração é irrigado pelas artérias coronárias que apresentam um trajeto epicárdico (camada externa do coração). Porém, alguns pacientes (0,5 à 40%) mostram uma ou mais artérias coronárias com um trajeto intramiocárdico (músculo cardíaco).

Existem pontes completas, ou seja, com segmentos totalmente envolvidos por músculo e pontes incompletas (não totalmente envolvidos). Durante o funcionamento do coração algumas pontes sofrem estreitamento na sístole (contração), alguns na diástole (relaxamento) e outros na sístole e a diástole.

Isso tudo acarreta estreitamento da luz da artéria que pode levar a angina, ao infarto agudo do miocárdio e raramente a morte súbita.

 

Dr. Arnoldo Azevedo dos Santos  (CRM 13677)
Cardiologista e Hemodinamicista do Instituto do Coração – ICOR


Meu pai morreu subitamente de ataque cardíaco. Isso pode acontecer comigo também?

 

Embora existam inúmeras causas para morte súbita, a principal delas é a cardiopatia isquêmica, ou seja, obstrução das artérias coronárias, que oferecem suprimento sanguíneo ao coração.

Estima-se que cerca de 75 % dos pacientes com morte súbita apresentem obstrução das artérias coronárias. A fisiopatologia da morte súbita, nestes casos, é a falta de suprimento sanguíneo para o coração, com decorrente arritmia e morte. Cada avaliação de risco deve ser individualizada e devem ser considerados a presença de fatores de risco cardiovasculares e a sintomatologia.

No entanto, em jovens, síndromes arrítmicas devem ser consideradas onde o principal sintoma, na maioria das vezes é desmaio.

 

Dr. Marcos B. F. Cavalheiro
Médico Cardiologista


 

Aqui no Icor, você encontra a melhor assistência e qualidade no atendimento. Nossas unidades realizam  exames cardiológicos, vasculares, de cateterismo cardíaco e vascular com diagnósticos seguros e confiáveis. Além disso,  contamos com uma equipe médica altamente qualificada. São profissionais com grande experiência nas suas áreas de atuação e um quadro de funcionários que fornecem todo o suporte que o paciente merece e busca na hora de realizar seus exames.

Acesse nosso site e confira a lista completa de exames e os nossos profissionais.

 


MARCA HORIZONTAL_ICOR.png 1

O Instituto do Coração de Santa Maria (ICOR) é referência na área da saúde. Há mais de 20 anos cuida do coração da cidade e região oferecendo um atendimento ético, humanizado e de qualidade.

2018 ICOR. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Rede de Empreendedores.